Pecado, Justiça e Juízo?

Fazer justiça e juízo é mais aceitável ao Senhor do que sacrifício. Provérbios 21:3

Com muita frequência ouvimos falar da bondade de Deus e as vezes até
esquecemos que Ele “não tem bondade”, mas ELE É BOM. Quando caímos na armadilha de achar que Deus “tem bondade” para conosco, podemos cair num sério risco de confundirmos a bondade de Deus com a bondade humana que é cheia de falhas morais, tendenciosa e muitas vezes até passiva. Nosso Deus é bom em tudo o que faz, portanto, a bondade não é apenas um traço moral de Deus, mas faz parte da Sua essência, do Seu caráter! Deus não deixa de ser bom quando nos corrige e até mesmo quando se ira.

O texto em questão nos deixa muito claro que Deus (que é bom) não se dobra diante dos erros dos homens como se precisasse de alguma forma se moldar a cultura vigente baixando o padrão de Seu caráter para se cercar de seguidores. Ele é misericordioso e Cristo revelou a graça e a verdade do Pai nesse sentido(Jo 1:14), ou seja, mostrando um Deus Santo que denuncia o erro(pecado), deseja que o homem aja de forma correta (justiça) e anuncia aos rebeldes e resistentes que haverá um dia de prestação de contas (juízo).Jamais podemos perder essa perspectiva sob pena de vivermos uma vida de cegueira espiritual.

É importante entendermos que o Espírito Santo é o agente pessoal (Ele é uma pessoa) que tem essa incumbência de nos levar a esse entendimento: Pecado, Justiça e Juízo. Podemos recorrer a Ele e ouvir Sua instrução para que possamos nos arrepender, colocar as coisas no lugar e assim, no dia do juízo, ouvirmos não a reprovação condenatória, mas a bênção eterna da aprovação do Senhor. Por isso Jesus nos adverte que a blasfêmia contra o Espírito Santo não terá perdão, pois esse é o último agente que está trabalhando arduamente sobre a terra para convencer o homem da última chamada de Deus. (Mt.12:31).