Levanta-te E Vem

O meu amado fala e me diz: Levanta-te, querida minha, formosa minha, e vem. Porque eis que passou o inverno, cessou a chuva e se foi; aparecem as flores na terra, chegou o tempo de cantarem as aves, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira começou a dar seus figos, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, querida minha, e vem. Pomba minha, que andas pelas fendas dos penhascos, no esconderijo das rochas escarpadas, mostra-me o rosto, faze-me ouvir a tua voz, porque a tua voz é doce, e o teu rosto, amável. – Cantares ou Cântico dos Cânticos 2:10 a 14.

O livro de Cantares ou Cântico dos Cânticos narra o diálogo entre o esposo e a esposa, onde são expostas verdadeiras declarações de amor, numa linguagem poética demonstrando um relacionamento íntimo entre ambos.

Essa é a expressão da intimidade que Jesus (esposo) quer ter com a igreja (esposa). Ambos abrem o coração.

Jesus sempre vê a igreja como a menina dos seus olhos, pois se alguém procurar atingi-la, terá, imediatamente, a proteção dEle. Entretanto, vamos verificar que nem sempre a igreja corresponde à confiança que lhe é creditada.

No texto acima temos lições profundas da situação e posição da igreja (esposa) em relação ao apelo, ao chamado do Senhor Jesus (esposo) para que possa haver uma convivência íntima, saudável e abençoada.

Levanta-te, querida minha, formosa minha, e vem”. – Versículo 10.

Esta é a primeira coisa que o amado fala para a esposa. Jesus vê a igreja como querida minha, formosa minha, muito embora ela no momento não esteja correspondendo aquilo que Ele espera dela.

Quando alguém diz “levanta-te…e vem”, isso significa que a pessoa está sentada ou deitada, não desejando se deslocar. Isso nos aponta para alguém que está na zona de conforto, acomodada, conformada, ou ainda traumatizada por alguma experiência negativa ou desistida da vida, não desejando mudanças. Esse posicionamento gera indiferença, insensibilidade, lei do menor esforço. Mostra que está interessada apenas naquilo que lhe convém, que lhe interessa, que lhe dá prazer. Querendo fazer apenas a sua vontade não a vontade dEle. Se em Jesus sempre houve o sim em todas as suas promessas (II Coríntios 1:20), atualmente para a igreja tem sempre havido o não, pois quando diz não, isso quer dizer que não quer comprometimento com Deus, não quer ser cobrada de nada e não quer pagar o preço que é exigido. Entretanto, deseja as bênçãos dEle.

Independente de tudo isso Jesus diz: Levanta-te e vem.

Onde estava a esposa (igreja), quando houve o chamado? – Versículo 14.

Estava pelas fendas dos penhascos, no esconderijo das rochas escarpadas.

Fendas dos penhascos: penhasco é um grande rochedo e a fenda é uma abertura estreita produzida por fendimento ou rachadura. Lugar de difícil acesso.

Rochas escarpadas: rocha é uma massa de pedra muito dura. Coisa firme, inabalável. Escarpada é uma área íngreme, despenhadeiro, difícil de acessar.

O que isso quer nos dizer? Que a esposa (igreja) estava se escondendo num lugar íngreme, de difícil acesso. Seu posicionamento era junto à rocha, que é uma massa de pedra muito dura, para mostrar que o local que ela escolheu mostrava também a dureza do seu coração. Esse local não era apenas difícil acesso as pessoas, como também um lugar difícil de morar, sem condições de uma sobrevivência saudável. Isso também ilustra que quando nos escondemos ficamos doentes física, mental, emocional e espiritualmente e não desejamos que ninguém venha a nos ajudar, por isso dificultamos sua chegada até nós.

O que levou a esposa (igreja) a se esconder nesses locais? – versículo 11.

O que levou a esposa esconder-se nesses locais foi o inverno.

O inverno representa tempos difíceis. Tem invernos que são extremamente rigorosos. Numa região da Rússia a temperatura chegou a – 67º. Nos Estados Unidos o frio foi tão intenso que um tubarão ficou congelado.

O inverno é uma estação onde as pessoas se recolhem, não tem vontade de sair. Gostam de ficar em casa, acomodadas junto a uma lareira, uma estufa, um fogão a lenha.

No inverno quantas coisas levam à igreja a esconder-se de Deus e das coisas de Deus: a competição no trabalho, os problemas na família, a situação financeira, o desgaste dos estudos.  Os conflitos internos, os medos, as incompetências, a angústia, falta de perspectivas para o futuro, a solidão, as perdas, decepções com as pessoas – marido, esposa, filhos, chefe, colegas de trabalho, pastor e irmãos na igreja – com situações imprevisíveis, a irritabilidade, a ira, o desânimo, a vontade de desistir de tudo, a falta de significado para a vida. Pode ser o medo do fracasso, pensamentos incontroláveis, emoções flutuantes, traições, reféns de mágoas e ressentimentos, ruminando o passado.  Isso tem implicações tremendas, pois bloqueiam iniciativas, talentos, habilidades e a criatividade para viver. Você precisa desarmar estas armadilhas que tem te prendido.

Diante de tudo isso o melhor é esconder-se num lugar inacessível, ou seja, vou me enclausurar dentro de mim mesmo. Querem lugar mais inacessível que esse?

Quando o esposo (Jesus) a chama ele tem uma notícia para a esposa (igreja) – passou o inverno, cessou a chuva e se foi – versículo 11.

O verbo passou significa atravessar, transpor, ir além. Esse verbo pode ter dois sentidos. O primeiro é comunicar que o inverno passou, o tempo das dificuldades ficou para trás. O segundo sentido é conscientizar a esposa (igreja) de que ela conseguiu passar pelo inverno, ou seja, que ela não precisa mais ficar escondida, passando dificuldades. Muitas pessoas apesar do inverno ter passado, insistem em permanecer como coitados, vítimas das situações. Normalmente são pessoas amarguradas, tristes, infelizes, sempre procurando um culpado, uma justificativa para sua condição, e não poucas vezes a igreja leva a culpa de tudo. Quem vive na condição de vítima, vitima sua vida. Se você está na situação em que está, foi você quem se colocou ai. Você é responsável pela sua vida. Mas, você tem a responsabilidade pessoal de sair dela.

O esposo (Jesus) vem com uma notícia excelente, uma boa nova – chegou o tempo – versículo 12.

Que tempo é esse que chegou? O tempo de mudança. Está chegando uma nova estação onde as flores aparecem na terra, aves cantam e a voz da rola ouve-se. Isso nos sinaliza que para desfrutar desse tempo de mudança, precisamos sair das fendas dos penhascos e das rochas escarpadas. Não desfrutaremos da primavera, se preferimos viver no inverno.

Temos anunciado que 2018 é tempo de mudança. Será um tempo de mudança interior que se refletirá no exterior. É um tempo de decisões na área espiritual. Não será tempo de ficar sentado, esperando que Deus faça alguma coisa, mas será um tempo onde tomaremos posição e veremos as coisas acontecerem. Em toda mudança vamos ter perdas. Se queremos o essencial, precisamos perder o trivial.

Tem que ser tempo de oração, meditação constante e profunda na Escritura, santidade e consagração.

Valorizarmos o sacrifício de Jesus na cruz e honrar ao Senhor de todas as formas.

O esposo (Jesus) tem desejo de ver o rosto e ouvir a voz da esposa (Igreja). – Versículo 14.

Jesus não quer sua igreja escondida, mas quer contemplar o seu rosto e ouvir a sua voz. Uma esposa que vê o esposo face a face é aquela que tem intimidade. É isso que Jesus está nos chamando neste tempo, nesta geração, termos intimidade com ele. Também ter a ousadia de falar, de ser a voz profética do seu amado. Coragem para confrontar uma cultura, um sistema e encontrar um significado para sua vida.

O rosto da esposa é de alguém que traz alegria em seu semblante, pois atendeu o chamado do seu esposo – levanta-te e vem.

O esposo quer ouvir a voz da esposa, quer ouvir o que ela tem a dizer, quais os seus anseios, sonhos, projetos. Isso nos remete para o tempo de oração, onde Jesus quer ouvir a nossa voz diariamente.

Igreja chegou o tempo de se levantar, assumir posição com autoridade, coragem, força e discernimento e termos uma vida plena de significado.

Deus abençoe!
Ap. Sidinei Consteila.