Chamados Para Ser Servos

Mas entre vós não é assim; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva. – Marcos 10:43

A nossa vida cristã apresenta muitas deformações.

O que são deformações?

  • Mudanças, alteração na forma, no aspecto original.
  • Má interpretação, ou deturpação de sentido, ideia, etc.

Então, nossa vida cristã apresenta deformações uma vez que que nossa forma de pensar, agir e reagir não corresponde com a palavra de Deus, que deve ser nossa regra de fé e prática.

Quero lhes falar sobre o conceito que temos em nossos dias sobre a questão de ser um “servo de Deus”.

Vivemos numa sociedade extremamente competitiva. Tenho que ser o melhor para ser notado, reconhecido e valorizado. Para tanto, preciso me qualificar mediante um curso acadêmico, pós, doutorado, PHD, etc. Notemos que em nossa nação o segundo lugar, o vice, a medalha de prata ou bronze não tem a mínima importância. É preciso ser o primeiro, o presidente e a medalha de ouro.

Diante disso as pessoas tem um desejo incontrolável (compulsão) pelo poder, ou seja, de ser o primeiro, de estar no alto do pódio, figura de destaque.

Nós vamos ver isso em todos os níveis da sociedade; família, escola, universidade, no ambiente de trabalho, na igreja e também na política.

Quer conhecer uma pessoa? Dê poder a ela. 

Quer conhecer mais uma pessoa? Tire o poder dela.

As instituições que detém o poder, sempre tem seus simbolismos no alto.

  • Quando a igreja detinha o poder as torres das catedrais e a localização das igrejas nas cidades eram em lugares altos.
  • Na revolução industrial as chaminés das fábricas.
  • Quando as instituições financeiras assumiram o poder os “espigões”, os arranha céus se destacavam em meio a cidade.
  • Atualmente as torres das TVS e de telefonia celular despontam no alto dos montes e na própria cidade. A comunicação, a tecnologia domina o cenário nos nossos dias.

Nós vamos verificar que esse desejo incontrolável pelo poder (compulsão) também atingiu os discípulos/apóstolos de Jesus.

Ao lermos o texto de Marcos acima mencionado vamos ver que Tiago e João se aproximam de Jesus falando:

– Mestre, a gente gostaria de falar com o Senhor e pedir um favor.

Jesus lhes pergunta: O que vocês querem que eu faça.
Responderam: Permite-nos que, na tua glória, nos assentemos um à tua direita e outro à tua esquerda.

Aqui quando eles falam de glória, referem-se a reis, real majestade, pompa, magnificência, por exemplo, do esperado reinado temporal do Messias. Estavam se referindo a glória de um reino terreno, onde eles seriam notados, reconhecidos e respeitados.

Quando eles falam de estar um à direita e outro à esquerda do Mestre/Rei, significa estar próximo em termos de posição e poder, possuir o assento mais elevado em termos de honra e distinção.

Houve dois homens que alcançaram a posição de estar ao lado do Mestre, um à direita e outro à esquerda – os ladrões na cruz.

Jesus salienta que eles não sabem o que estão pedindo e lhes pergunta se eles poderiam beber o cálice e receber o batismo que Jesus iria experimentar. Eles disseram que sim, o que Jesus confirmou. O que isso quer dizer? Quer dizer “compartilhar o mesmo destino de alguém”. Isso realmente aconteceu com os apóstolos e deve acontecer com todo aquele que tem Jesus como Senhor e Salvador da sua vida.

Jesus também diz que esses lugares que estavam solicitando não competia a Ele concede-lo; porque é para aqueles a quem está preparado.

Os outros dez ouviram o pedido de João e Tiago e se indignaram.

Jesus aproveitando todos os momentos os chama para junto de si e vai trazer uma lição maravilhosa de vida.

“Sabeis que os que são considerados governadores dos povos, têm-nos sob seu domínio, e sobre eles os seus maiorais exercem autoridade”.

Em primeiro lugar Jesus que quem deseja esse tipo de destaque são as pessoas do mundo, onde eles exercem sua autoridade para dominá-los, para se sobressaírem. Entretanto, Jesus não diz que é errado desejar ser grande, não os censura por desejarem querer ter destaque, reconhecimento e serem grandões.

Ele os alinha com os princípios e valores da palavra e do reino de Deus. Ele traz o verdadeiro significado de ser grande, mas no reino de Deus, na obra de Deus, no corpo de Cristo, nos relacionamentos comunitários.

“Mas entre vós não é assim; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós será servo de todos. Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para dar a sua vida em resgate por muitos”.

Quem quiser ser grandão, deve ser servo.

Servo vem da palavra grega diácono que quer dizer garçom, aquele que serve.

A cruz é o símbolo da submissão e obediência.

A toalha é o símbolo da servidão, do servo, do serviço.

A autoridade de Jesus não se apoia em posição nem em títulos: precisa apenas de uma toalha.

Lucas 17:7 a 10 – Jesus fala novamente sobre o servo.

No Novo Testamento também tem a figura do escravo (doulos). O escravo era propriedade do seu senhor, pois ele havia sido comprado.

Um escravo não tem direitos. Ele não estava prestando nenhum favor.

Depois de ter feito tudo para o seu senhor, este ainda o chama de inútil, inaproveitável.

Isso não nos parece meio injusto?

Porém, o que realmente significa essa palavra?

“Dizem essas palavras claramente que Deus salva por misericórdia e por causa da sua promessa, não que o deva em razão da dignidade de nossas obras”. – Bíblia de Estudo da Reforma – página 1724.

“Senhor Jesus que possamos contemplar nosso orgulho, arrogância, autossuficiência e prepotência. Que o Espírito Santo possa mostrar nossa miséria espiritual, e em obediência à tua vontade possamos nos tornar servos do Deus Altíssimo. Tem misericórdia de nós e ajuda-nos a termos nossa vida alinhada com os princípios da tua Palavra para experimentarmos qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.

Deus abençoe!

Ap. Sidinei Consteila.