Acerca da Guerra

Deuteronômio 20: 1 a 20

Quando queremos realizar conquistas de territórios (vida, família, cidade, nação, nações) está declarada uma guerra.

Sabemos que desde o dia em que recebemos a Cristo como Senhor e Salvador de nossas vidas, nos alistamos no exército do Senhor, porque a guerra está declarada contra o inimigo de nossas vidas.

No texto acima verificaremos algumas coisas extremamente importantes quando nos propomos a entrar numa guerra.

Versículo 2 – quando o exército estava reunido para a guerra, o sacerdote se adiantaria e falaria. A primeira palavra é a do sacerdote. Ele libera uma palavra profética para o exército, dizendo que a vitória já está garantida, tendo em vista que o Senhor é que vai a frente. A palavra é liberada independente da quantidade de soldados que compõe o exército. Esta palavra liberada pelo sacerdote fala do que Deus fará. É uma palavra que contempla o sobrenatural, o espiritual, e debaixo dessa palavra é que o exército deveria se mover.

Versículo 5 – a segunda palavra direcionada ao exército é dita pelo oficiais. Representa o humano, o natural, o terreno e implica em decisão e ação. Isso significa o que o homem deve fazer. Ele direciona sua palavra para alguns homens que estão enquadrados nas seguintes situações.

  • Quem construiu uma casa e ainda não desfrutou dela – está liberado para isso.
  • Quem plantou uma vinha e ainda não desfrutou dela – está liberado para desfrutar.
  • Quem está comprometido para casar e ainda não a recebeu a mulher como esposa– está dispensado para poder casar e desfrutar de sua esposa.

É importante salientar que o fato dessas pessoas terem sido dispensadas do exército, não quer dizer que sobre elas não está a benção do Senhor.

Por que então foram dispensadas? Foram dispensadas porque suas prioridades naquele momento não era a guerra, a conquista de território.

Quando uma pessoa não tem como prioridade a guerra, a conquista, ela está desfocada.

Uma pessoa numa guerra com outras prioridades na cabeça torna-se vulnerável, e coloca as demais pessoas em risco, pois na hora que se precisa dela, ela não dará uma resposta na altura e comprometerá toda a sua participação.

Precisamos entender que esse pode ser um momento em nossas vidas. Mas precisamos entender que quando nossa prioridade não é o reino nos sentimos desconfortáveis e também trazemos desconforto para nossa liderança.

Os argumentos da nossa alma não solucionam o problema, apenas reforçam o momento que estamos passando.

Precisamos entender que não podemos exigir das pessoas o que elas não tem para dar.

Para uns o reino de Deus é prioridade, mas para outros é um fardo. Se isto estiver acontecendo, precisamos tirar o fardo de cima dessas pessoas para que elas se sintam livres, e, ao mesmo tempo, também nos sintamos livres para contar com aqueles, que naquele momento, estão prontos para nos ajudar a alcançar o propósito de Deus.

É preferível ter 10 que estão afinados em um só propósito do que ter 30 insatisfeitos, porque não conseguem e não alcançam os objetivos que estão propostos.

Versículo 8 – o oficial se dirige a todos aqueles que tem medo, são tímidos, para que retornem para suas casas. Isto nos fala de posicionamento. Não posso ter no exército pessoas que numa batalha podem ficar paralisadas, inativas ou até mesmo desertoras na hora em que mais preciso delas.

Porque essas pessoas deveria também ir embora? Por que elas com os seus argumentos de alma poderiam contaminar os outros e prejudicar toda uma conquista.

A Visão Celular nos empurra para a superação de limites, a ousadia nos projetos, a coragem de enfrentar, porque não estamos debaixo de palavra de homem, mas sob cobertura plena da Palavra de Deus e da unção que está sendo liberada.

II Timóteo 1:7 – Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, amor e moderação.

Leia Juízes 7:3 e Apocalipse 21:8.

As duas situações levantadas pelos oficiais (prioridades e posicionamentos) visam preservar quem sai e quem fica no exército.

Números 1:3 – note-se que somente pode participar de uma guerra quem tem de 20 anos para cima. Não se leva crianças para a guerra.

Importante: somente tem direito ao despojo (recompensa) quem luta e conquista no campo de batalha.

Considerações pessoais:

  • Quando o seu coração não está no que você faz tudo se torna um peso. Peso para você e para seu líder, pois ele pensa que pode contar com você, mas na hora que precisa você não corresponde.
  • Filipenses 2:13 – Se o Espírito Santo não produzir em sua vida o que precisa ser feito, não será uma liderança que fará isso. Precisamos entender que as coisas de Deus são expontâneas e não por imposição ou obrigação.
  • Muitas vezes não desistimos de determinada coisas porque temos medo do que os outros vão pensar, ou porque pode se estabelece em nós sentimento de fracasso.
  • Estratégia – o que fazer.
  • Planejamento – como fazer.
  • Execução – com quem fazer.